(41) 3339-4251 | (41) 3339-2932 | (41) 3044-3251 | (41) 99898-4251Whats up
contato@michaeliscirurgiavascular.com.br

Entre em contato conosco!

Doenças Vasculares

Trombose Venosa Profunda

O que é trombose venosa profunda (TVP)?

A Trombose Venosa Profunda (TVP), é a doença causada pela coagulação do sangue (formação de trombos) no interior das veias - vasos sangüíneos que levam o sangue de volta ao coração - em um local ou momento não adequados; devemos lembrar que a coagulação é um mecanismo fisiológico (normal) do organismo.

O processo de formação de coágulos é prejudicial ao organismo?

Nem sempre. Sabemos que, quando nos cortamos, nosso organismo reage rapidamente fechando os vasos sangüíneos do ferimento com a formação de um coágulo local, para interromper o processo de perda sangüínea. Quando a formação de coágulos se dá de maneira patológica, ou seja, sem necessidade, caracteriza-se o quadro de Trombose Venosa Profunda ou TVP e, neste caso, ela é prejudicial.

Qual a incidência de trombose venosa profunda?

No Brasil, um estudo clínico feito em Botucatu (SP) evidenciou a incidência de 0,6 caso a cada 1.000 habitantes por ano.

Quais as veias mais acometidas?

As veias mais comumente acometidas são as dos membros inferiores (cerca de 90% dos casos).

Porque a TVP é uma doença importante?

Porque suas principais conseqüências a curto prazo podem levar à morte, prolongar ou complicar uma internação ou cirurgia e mesmo tornar o indivíduo inabilitado para a realização de determinadas atividades sociais e de trabalho, quando deixa o que chamamos de seqüelas.

Quais os fatores de risco de desenvolvimento de trombose venosa profunda (TVP)?

É uma patologia mais freqüente em pessoas portadoras de certas condições predisponentes:

  • Uso de anticoncepcionais ou tratamento hormonal
  • Tabagismo
  • Presença de varizes
  • Pacientes com insuficiência cardíaca
  • Tumores malignos
  • Obesidade
  • História prévia de trombose venosa
  • Pacientes submetidos a cirurgias de médio e grande portes
  • Infecções graves
  • Traumatismo
  • A fase final da gestação e o puerpério (pós-parto)
  • Idade avançada
  • Pacientes com anormalidades genéticas do sistema de coagulação
  • E qualquer outra situação que obrigue a uma imobilização prolongada (paralisias, infarto agudo do miocárdio, viagens aéreas longas, etc).

A TVP pode ser evitada?

Sim. Hoje existem métodos físicos, mecânicos e farmacológicos (uso de medicamentos) para prevenção da TVP, que podem ser utilizados dependendo do risco tromboembólico individual. Somente seu médico pode indicar o adequado para você.

Como posso saber se pertenço ao grupo de risco para desenvolver (TVP)?

Você deve procurar seu médico Cirurgião Vascular. A avaliação de risco é simples e a prevenção também.

Quais os sintomas?

Todo paciente com queixa de edema (inchaço) e dor nos membros inferiores deve ser avaliado pensando-se em trombose venosa profunda.

Quando ocorre manifestação clínica, o sintoma mais freqüente é dor na panturrilha, associada a eritema (vermelhidão), edema (inchaço) e sensação de peso nas pernas.

Quais os achados no exame físico?

Durante o exame físico, o membro afetado pode estar mais edemaciado (inchado), com dor presente à palpação da panturrilha e à dorsiflexão do pé; podem-se observar veias varicosas ou veias superficiais dilatadas e edema de tornozelo.

Quais as complicações agúdas (recentes)?

A Trombose Venosa Profunda pode ser de extrema gravidade na fase aguda, causando embolias pulmonares muitas vezes fatais (embolia pulmonar é causada pela fragmentação dos coágulos e a migração destes até os pulmões, entupindo as artérias pulmonares e gerando graves problemas cardíacos e pulmonares).

Quais as complicações crônicas (tardías)?

Na fase crônica, após dois a quatro anos, os principais problemas são causados pela inflamação da parede das veias que, ao cicatrizarem, podem levar a um funcionamento deficiente destes vasos sangüíneos.

O conjunto das lesões (pigmentação escura da pele, grandes varizes, inchaço (edema) das pernas, eczemas e úlceras de perna) é chamado de síndrome pós-trombótico. Esta complicação está relacionada ao grau de recanalização do vaso acometido e pode levar a imensos problemas socio-econômicos por ser de tratamento caro, prolongado e extremamente penoso em suas repercussões sociais.

Quais os métodos diagnósticos utilizados na suspeita de (TVP)?

A TVP é, muitas vezes, assintomática. O diagnóstico clínico é difícil. O exame mais utilizado para o diagnóstico da TVP é o Eco Color Doppler.

A TVP pode ser tratada?

Sim. O tratamento é feito com substâncias anticoagulantes (impedem a formação do trombo e a evolução da trombose) ou fibrinolíticos (destroem o trombo). Mais modernamente, e em situações selecionadas, o tratamento da TVP pode ser feito na própria residência do paciente, usando-se as heparinas de baixo peso molecular e anticoagulantes orais.

Quais as recomendações para pacientes que estão usando anticoagulante oral?

  • Em caso de pequenos cortes, comprimir a ferida com pedaço de pano por 10 minutos ininterruptos;
  • Cuidado com traumatismos pois é grande a possibilidade de evoluir com hematomas, hemorragias graves ou outras complicações.
  • Observar o aparecimento espontâneo de hematomas no corpo, assim como, sinais de DENGUE, sangue nas fezes e/ou urina, ou fezes enegrecidas como "borra de café" e odor forte, dores súbitas de cabeça, dores nas costas, escarros ou vômitos com raias de sangue, hemorragia ocular, nasal ou genital. Caso isto ocorra, procurar imediatamente o Pronto Socorro, comunicando o fato e avisar ao médico que você faz uso de anticoagulante.
  • Não utilizar medicamentos sem ordem médica, sempre informando ao médico o uso de anticoagulante.
  • Não utilizar medicamentos como: Aspirina, Ácido Acetilsalicílico, Diclofenaco (Voltareno, Cataflano, etc...), outros antiinflamatórios não esteróides, medicamentos injetáveis por via intramuscular e medicamentos caseiros. Em caso de dor ou febre usar Dipirona ou Paracetamol.
  • Tomar o anticoagulante todos os dias sempre no mesmo horário, preferencialmente no final da tarde, sem falhar, conforme orientação e dosagem prescritas na receita médica.
  • Não pare ou modifique a dose do anticoagulante por conta própria.
  • Realizar o controle no consultório de Angiologia com o exame de sangue nos intervalos conforme orientado.
  • Evitar comer todos os dias couve, couve-flor, espinafre, nabo, brócolis, folhas verdes, alho, fígado e músculo.
  • Diminuir o consumo de óleo, bacon, queijo, manteiga e chá verde.
  • Evitar comidas que podem sugerir sangramentos como beterraba e choriço.
  • Usar a meia elástica, quando prescrita conforme orientação médica durante todo o dia. Não usá-la à noite.
  • Repouso com as pernas elevadas, evitar permanecer em pé por longos períodos e pegar peso excessivo.
  • Durante as viagens, movimentar sempre os pés, dar preferência a poltrona do corredor para facilitar levantar, beber bastante líquido evitando bebidas alcoólicas, levantar de 2 em 2 horas.

Veja também

  • Insuficiência Vascular Cerebral

    Qual a relação das artérias carótidas (do pescoço) com a insuficiência vascular cerebral? As artérias carótidas são responsáveis pelo suprimento sanguíneo cerebral, e, quando acometidas por uma placa aterosclerótica ("placa de gordura"), podem determinar manifestações de isquemia cerebral, seja pela…

    Continuar lendo
  • Doenças do sistema linfático

    O que são vasos linfáticos e qual a sua função? Os linfáticos são pequenos vasos, com menos de 3mm de diâmetro, cuja função é transportar linfa pelos gânglios (também conhecidos como linfonodos). Uma das principais funções do sistema linfático é de "transportar" as proteínas, outras substâncias e líquidos…

    Continuar lendo
  • Células tronco e isquemia crítica

    Uso de células tronco para isquemia crítica A isquemia crítica é uma forma de doença vascular periférica que é definida como sendo o fluxo arterial insuficiente para manter as funções normais dos tecidos. Têm uma incidência de 300 casos por milhões de habitante por ano e apesar dos tratamentos atualmente…

    Continuar lendo
  • Orientação para pacientes com varizes

    Evitar ficar de pé ou sentado por mais de uma hora. Movimentar-se, pois os exercícios melhoram a circulação das pernas. Quando as pernas estiverem inchadas, mantê-las elevadas durante a noite com um calço sob os pés da cama. Colocar travesseiro embaixo dos pés. Não submeter o corpo à exposição prolongada…

    Continuar lendo

NEWSLETTER | Cadastre-se para receber nossas publicações.